Matos Soares 1956 - Epístola aos Filipenses, 2

Humildade e abnegação dos interesses próprios, a exemplo de Jesus Cristo. Trabalhar pela santificação própria. Notícias de Timóteo. Notícias de Epafrodito.
Humildade e abnegação dos interesses próprios, a exemplo de Jesus Cristo.
[1] Portanto, se há alguma consolação em Cristo, se algum conforto de caridade, se alguma união de espírito, se alguma ternura e compaixão,
[2] tornai completo o meu gozo, tendo todos o mesmo pensar, a mesma caridade, uma só alma, um mesmo sentimento;
[3] nada façais por espírito de partido ou por vanglória, mas cada um, por humildade, considere os outros superiores a si,
[4] não atendendo (só) aos seus próprios interesses, mas também aos dos outros.
[5] Tende entre vós os mesmos sentimentos que se deve ter em Jesus Cristo,
[6] o qual, existindo na forma (ou natureza) de Deus, não julgou que fosse uma usurpação o seu ser igual a Deus,
Não julgou que fosse uma usurpação a sua divindade ; por consequência, não a guardou com o cuidado com que o ladrão guarda as coisas roubadas com receio de as perder, mas aniquilou-se, tornando-se semelhante aos homens, e nem por isso perdeu nada da sua divindade. — Por condição, pelo seu exterior.
[7] mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens e sendo reconhecido, por condição, como homem.
[8] Humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até à morte, e morte da cruz.
[9] Por isso também Deus o exaltou e lhe deu um nome que está acima de todo o nome,
[10] de modo que, ao nome de Jesus, se dobre todo o joelho no céu, na terra e no inferno,
[11] e toda a língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, na glória de Deus Pai.
Trabalhar pela santificação própria.
[12] Portanto, meus caríssimos, como sempre tendes sido obedientes, trabalhai na vossa salvação com temor e tremor, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência.
O Apóstolo refere-se aqui, de passagem, a um dos mais altos mistérios da graça: de um lado, o cristão, com as boas obras que deve praticar, desempenha um papel pessoal na sua santificação e salvação; do outro, ele nada pode sem a graça de Deus.
[13] Porque Deus é o que opera em vós o querer e o executar, segundo o seu beneplácito.
[14] Fazei, pois, todas as coisas sem murmuração nem contestações,
[15] a fim de serdes irrepreensíveis e sinceros filhos de Deus, sem culpa, no meio de uma nação depravada e corrompida, onde brilhais como astros do mundo,
[16] conservando a palavra de vida (que vos preguei), para eu ter a glória, no dia (da segunda vinda) de Cristo, de não haver corrido nem trabalhado em vão.
[17] Mas, ainda que o meu sangue deva servir de libação sobre o sacrifício e a oferenda da vossa fé, alegro-me e congratulo-me com todos vós.
[18] E vós também alegrai-vos e congratulai-vos comigo.
Notícias de Timóteo.
[19] Espero, no Senhor Jesus enviar-vos brevemente Timóteo, para que eu também fique animado, recebendo noticias de vós,
[20] porque não tenho ninguém como ele, unido comigo em sentimentos, que se interesse por vós sinceramente:
[21] Com efeito, todos buscam os seus próprios interesses, e não os que são de Jesus Cristo.
[22] Sabeis que ele é de uma virtude provada e que, como um filho com o pai, serviu comigo o Evangelho.
[23] Espero, pois, mandar-vo-lo, logo que tiver visto o estado das minhas coisas.
[24] E confio no Senhor que também eu próprio brevemente irei ter convosco.
Notícias de Epafrodito.
[25] Entretanto, julguei necessário mandar-vos Epafrodito, meu irmão, coadjutor e companheiro de luta, e vosso enviado para me socorrer nas minhas necessidades,
[26] pois que ele desejava, por certo, ver-vos de novo a todos e tinha pena de que tivésseis notícia da sua doença.
[27] Com efeito, esteve mortalmente enfermo, mas Deus compadeceu-se dele, e não somente dele, mas também de mim, para que eu não tivesse tristeza sobre tristeza.
[28] Por isso o enviei mais depressa para que, vendo-o, de novo vos alegreis e eu fique com menor tristeza (sabendo que estais alegres).
[30] Efectivamente , pelo serviço de Cristo, chegou às portas da morte, arriscando a própria vida para vos suprir no serviço que vós me não podíeis prestar.

Notás de Rodapé

[6] Não julgou que fosse uma usurpação a sua divindade ; por consequência, não a guardou com o cuidado com que o ladrão guarda as coisas roubadas com receio de as perder, mas aniquilou-se, tornando-se semelhante aos homens, e nem por isso perdeu nada da sua divindade. — Por condição, pelo seu exterior.
[12] O Apóstolo refere-se aqui, de passagem, a um dos mais altos mistérios da graça: de um lado, o cristão, com as boas obras que deve praticar, desempenha um papel pessoal na sua santificação e salvação; do outro, ele nada pode sem a graça de Deus.