Vulgata - Psalmi, 142

Nota do Editor: Na edição original do padre Matos Soares, esse é o Salmo 143. Para mais detalhes ver [Ps. 1, 1, en].

Oração dum penitente angustiado

[1] Salmo. De Davide. Senhor, ouve a minha oração, presta ouvidos à minha súplica por tua fidelidade, atende-me por tua justiça.
[1] Psalmus David, quando persequebatur eum Absalom, filius ejus. Domine, exaudi orationem meam ; auribus percipe obsecrationem meam in veritate tua ; exaudi me in tua justitia.
[2] Et non intres in judicium cum servo tuo, quia non justificabitur in conspectu tuo omnis vivens.
[2] Não chames a juízo o teu servo, porque nenhum vivente é justo na tua presença.
[3] O inimigo persegue a minha alma: prostrou por terra a minha vida, colocou-me nas trevas, como os mortos de muito tempo.
[3] Quia persecutus est inimicus animam meam, humiliavit in terra vitam meam ; collocavit me in obscuris, sicut mortuos sæculi.
[4] Et anxiatus est super me spiritus meus ; in me turbatum est cor meum.
[4] O meu espírito desfalece em mim; dentro de mim se gelou o meu coração,
[5] (Mas) lembro-me (logo) dos dias antigos, medito em todas as tuas obras, considero as obras das tuas mãos.
[5] Memor fui dierum antiquorum : meditatus sum in omnibus operibus tuis, in factis manuum tuarum meditabar.
[6] Expandi manus meas ad te ; anima mea sicut terra sine aqua tibi.
[6] Entendo as minhas mãos para ti; a minha alma tem sede de ti, como terra sequiosa.
[7] Atende-me, Senhor, com presteza, porque o meu espírito desfalece. Não escondas de mim a tua face, para que não me torne como os (mortos) que descem à cova.
[7] Velociter exaudi me, Domine ; defecit spiritus meus. Non avertas faciem tuam a me, et similis ero descendentibus in lacum.
[8] Faz-me sentir já a tua bondade, porque em ti confio. Faz-me conhecer o caminho em que devo andar, porque a ti elevo a minha alma.
[8] Auditam fac mihi mane misericordiam tuam, quia in te speravi. Notam fac mihi viam in qua ambulem, quia ad te levavi animam meam.
[9] Livra-me dos meus inimigos, Senhor: em ti espero.
[9] Eripe me de inimicis meis, Domine ; ad te confugi.
[10] Ensina-me a fazer a tua vontade, porque tu és o meu Deus. O teu espírito é bom: conduza-me por terra plana.
[10] Doce me facere voluntatem tuam, quia Deus meus es tu. Spiritus tuus bonus deducet me in terram rectam.
[11] Propter nomen tuum, Domine, vivificabis me ; in æquitate tua, educes de tribulatione animam meam ;
[11] Por causa do teu nome, Senhor, conserva-me vivo; por tua clemência, tira a minha alma da angústia.
[12] et in misericordia tua disperdes inimicos meos, et perdes omnes qui tribulant animam meam, quoniam ego servus tuus sum.
[12] Pela tua bondade, destrói os meus inimigos, extermina todos os que atribulam a minha alma, porque eu sou teu servo.