Vulgata - Psalmi, 37

Nota do Editor: Na edição original do padre Matos Soares, esse é o Salmo 38. Para mais detalhes ver [Ps. 1, 1, en].

Súplica do pecador castigado por Deus

[1] Psalmus David, in rememorationem de sabbato.
[1] Salmo. De Davide. Para memória.
Sofrendo por causa dos pecados.
[2] Senhor, não me repreendas na tua ira, nem me castigues no teu furor.
[2] Domine, ne in furore tuo arguas me, neque in ira tua corripias me ;
[3] Com efeito, as tuas setas se me cravaram, e descarregou sobre mim a tua mão.
[3] quoniam sagittæ tuæ infixæ sunt mihi, et confirmasti super me manum tuam.
[4] Non est sanitas in carne mea, a facie iræ tuæ ; non est pax ossibus meis, a facie peccatorum meorum :
[4] Nada há são na minha carne por causa da tua indignação, nada há intacto nos meus ossos, por causa do meu pecado.
[5] Em verdade, as minhas culpas se elevaram acima da minha cabeça, como uma carga pesada me oprimem demasiadamente.
[5] quoniam iniquitates meæ supergressæ sunt caput meum, et sicut onus grave gravatæ sunt super me.
[6] Putruerunt et corruptæ sunt cicatrices meæ, a facie insipientiæ meæ.
[6] As minhas chagas estão infectas e purulentas, por causa da minha loucura.
[7] Miser factus sum et curvatus sum usque in finem ; tota die contristatus ingrediebar.
[7] Deprimido, extremamente encurvado, todo o dia ando oprimido de tristeza.
[8] Quoniam lumbi mei impleti sunt illusionibus, et non est sanitas in carne mea.
[8] De facto, as minhas entranhas estão cheias de inflamação, não há parte alguma sã na minha carne
[9] Afflictus sum, et humiliatus sum nimis ; rugiebam a gemitu cordis mei.
[9] Estou esgotado e grandemente abatido, o frêmito do meu coração arranca-me rugidos.
[10] O Senhor, bem vês todos os meus desejos, e o meu gemido não te é oculto.
[10] Domine, ante te omne desiderium meum, et gemitus meus a te non est absconditus.
[11] O meu coração palpita, a minha força abandona-me, a própria luz dos meus olhos me falta.
[11] Cor meum conturbatum est, dereliquit me virtus mea, et lumen oculorum meorum, et ipsum non est mecum.
afligido por amigos e inimigos,
[12] Amici mei et proximi mei adversum me appropinquaverunt, et steterunt ; et qui juxta me erant, de longe steterunt, et vim faciebant qui quærebant animam meam.
[12] Os meus amigos é os meus companheiros conservam-se afastados das minhas chagas, e os meus parentes põem-se ao longe.
[13] Armam laços os que atentam contra a minha vida, e os que procuram a minha desgraça ameaçam desditas, todo o dia maquinam enganos.
[13] Et qui inquirebant mala mihi, locuti sunt vanitates, et dolos tota die meditabantur.
[14] Ego autem, tamquam surdus, non audiebam ; et sicut mutus non aperiens os suum.
[14] Eu, porém, como um surdo, não ouço, e sou como um mudo que não abre a boca.
[15] E tornei-me como um homem que não houve, e que não tem réplica na sua boca.
[15] Et factus sum sicut homo non audiens, et non habens in ore suo redargutiones.
suplica a misericórdia de Deus.
[16] Porque em ti. Senhor, confio, tu me ouvirás. Senhor Deus meu.
[16] Quoniam in te, Domine, speravi ; tu exaudies me, Domine Deus meus.
[17] Digo, com efeito: "Não se alegrem à minha custa, não se ensoberbeçam contra mim quando o meu pé resvalar."
[17] Quia dixi : Nequando supergaudeant mihi inimici mei ; et dum commoventur pedes mei, super me magna locuti sunt.
[18] Realmente eu estou prestes a cair, a minha dor está sempre diante de mim.
[18] Quoniam ego in flagella paratus sum, et dolor meus in conspectu meo semper.
[19] Eu confesso a minha culpa, estou aflito por causa do meu pecado,
[19] Quoniam iniquitatem meam annuntiabo, et cogitabo pro peccato meo.
[20] Inimici autem mei vivunt, et confirmati sunt super me : et multiplicati sunt qui oderunt me inique.
[20] Entretanto os que sem razão me atacam são poderosos e os que me odeiam injustamente são muitos.
[21] Qui retribuunt mala pro bonis detrahebant mihi, quoniam sequebar bonitatem.
[21] Os que tornam mal por bem hostilizam-me, porque eu sigo o bem.
[22] Ne derelinquas me, Domine Deus meus ; ne discesseris a me.
[22] Não me desampares. Senhor Deus meu, não te apartes de mim!
[23] Intende in adjutorium meum, Domine, Deus salutis meæ.
[23] Acode prontamente em meu socorro. Senhor, salvação minha!

undefined

[6] O pecado é uma loucura, porque, por um breve e doentio prazer, atrai tantos castigos da justiça divina.
[11] A própria luz... Quase ceguei de tanto chorar.
[18] Estou prestes... Está perdido, se Deus não se apressa a socorrê-lo.